No Nordeste, Piauí tem menor taxa de jovens que não estudam nem estão ocupados

O Piauí teve a melhor marca entre os estados do Nordeste, mas ainda assim, ficou acima da média nacional, que foi de 25,8%. O Maranhão teve o maior percentual do país com quase 37,7%. Já Santa Cataria registrou a menor taxa, com 12,5%.


 No Nordeste, Piauí tem menor taxa de jovens que não estudam nem estão ocupados
some text

No primeiro ano da pandemia da Covid-19, a taxa de jovens entre 15 e 29 anos que não estudavam nem estavam ocupados foi de 27,4% em 2021 no Piauí. Os dados são da Síntese de Indicadores Sociais, divulgada na sexta-feira (02) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em 2021, os percentuais de jovens que não estudavam nem estavam ocupados apresentaram reduções em todo o País, mas insuficientes para superar o aumento ocorrido em 2020, especialmente na Região Nordeste, onde o patamar de jovens nessa situação permaneceu 2,1 pontos percentuais acima do valor de 2019.

O Piauí teve a melhor marca entre os estados do Nordeste, mas ainda assim, ficou acima da média nacional, que foi de 25,8%. O Maranhão teve o maior percentual do país com quase 37,7%. Já Santa Cataria registrou a menor taxa, com 12,5%.

O indicador do IBGE inclui simultaneamente os jovens que não estudavam e estavam desocupados (que buscavam uma ocupação e estavam disponíveis para trabalhar) e aqueles que não estudavam e estavam fora da força de trabalho, ou seja, que não tomaram providências para conseguir trabalho ou tomaram e não estavam disponíveis.

Esse indicador é, portanto, uma medida mais rigorosa de vulnerabilidade juvenil do que a taxa de desocupação, pois abrange aqueles que não estavam ganhando experiência laboral nem qualificação, possivelmente comprometendo suas possibilidades ocupacionais futuras.

O IBGE ressaltou ainda, que o módulo anual de educação da PNAD Contínua não foi à campo em 2020 e 2021. Nesse sentido, a condição de estudante que compõe o indicador dessa divulgação não incluiu alguns aspectos da qualificação juvenil, como frequência em curso técnico de nível médio, curso normal (magistério), curso pré-vestibular e curso de qualificação profissional (cursos de formação para determinada ocupação).

Fonte: Meio Norte

Samuel Aguiar

Veja ainda

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Obrigado por seu contato!
Em breve nossa equipe retornará para você.