Ceará confirma primeiro caso da variante Alfa, variante Britânica

Sobral e Itapipoca, cidades vizinha do Litoral Piauiense, registraram os primeiros casos de pacientes com a variante delta.


 Ceará confirma primeiro caso da variante Alfa, variante Britânica
some text

A Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) informou, na tarde dessa quarta-feira (18), que já foram confirmados 43 casos de pacientes com coronavírus que estão com a variante delta (B.1.617), de origem indiana. Além disso, a pasta também confirmou a presença do primeiro caso da variante alfa, de origem britânica; é a primeira vez desde o início da pandemia que esta cepa foi identificada no estado.

De acordo com a Sesa, dos 43 casos da variante no Ceará, 28 são importados, ou seja, vieram de viajantes que foram testados nas barreiras sanitárias montadas pelo estado desde o início de julho. Outros três casos já foram confirmados como sendo de transmissão comunitária, o que significa que os infectados não viajaram, nem tiveram contato com pessoas que vieram de outros locais.

Outros 12 casos estão sendo rastreados pela Secretaria, cuja forma de transmissão ainda não foi confirmada. A pasta garante que todos os pacientes (24 mulheres e 19 homens), que testaram positivo nessas condições, estão sendo monitorados. A indicação da Sesa é que eles cumpram auto quarentena de 14 dias.

Os pacientes, conforme a Sesa, tiveram sintomas leves, moderados ou foram assintomáticos, e têm idades entre 20 e 39 anos. Mais da metade veio do estado do Rio de Janeiro, além de viajantes oriundos de São Paulo, Recife e Porto Alegre, além do México. Fortaleza, Sobral e Itapipoca, cidades vizinha do Litoral Piauiense, registraram os primeiros casos de pacientes com a variante delta.

Variante alfa

O paciente que testou positivo para a variante alfa, identificada inicialmente no Reino Unido, é um homem de 64 anos, de origem mineira, que cumpriu isolamento desde que recebeu o diagnóstico, no Centro de Testagem de Viajantes, montado pelo Governo do Estado no Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza.

Segundo a Sesa, ele também está sendo monitorado, mas "apresenta sintomas leves e fará nova coleta de amostras para medição.

Variante mais transmissível de todas

A variante delta, identificada pela primeira vez na Índia em outubro do ano passado, vem preocupando especialistas, países e entidades internacionais, além de brasileiras. Ela é mais transmissível do que as demais variantes que já circulam no Brasil, como a gama, identificada inicialmente em Manaus; e a variante alfa, primeiramente encontrada no Reino Unido.

Atualmente, a delta é um dos principais aceleradores da pandemia no mundo, inclusive nos países onde a vacinação está avançada. O novo vírus já circula em, pelo menos, 124 países e já corresponde a 99% dos novos casos confirmados no Reino Unido. No Rio de Janeiro, conforme o governo do estado, a delta já é a variante predominante, respondendo por 60% das amostras coletadas.

E a vacina?

Especialistas apontam que a delta é capaz de infectar pessoas que foram totalmente vacinadas, ou seja, que tomaram as duas doses da vacina. Os imunizantes atualmente aplicados não são capazes de impedir a infecção; eles apenas têm efetividade na prevenção de casos graves e óbitos provocados pelo vírus.

Uma pesquisa, assinada por pesquisadores do sistema de saúde do Reino Unido, da Universidade de Oxford e do Imperial College London, aponta que a eficácia da primeira dose das vacinas da Pfizer/BioNTech e da AstraZeneca é de 30,7% contra a variante delta — com uma variação de 25,2% a 35,7%.

Fonte: G1

Portal Piauiês

https://opiauies.com

Veja ainda

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Obrigado por seu contato!
Em breve nossa equipe retornará para você.