ANS decide que Planos de Saúde não poderão limitar consultas para casos específicos

Caso o convênio médico não libere a cobertura do número adequado de terapias, o paciente que teve esse direito negado pode registrar uma denúncia no site da ANS, na internet.


 ANS decide que Planos de Saúde não poderão limitar consultas para casos específicos
some text

Desde a última segunda-feira (01), os planos de saúde não podem mais limitar o número de consultas e sessões com psicólogos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais e fisioterapeutas. A decisão da ANS, Agência Nacional de Saúde Suplementar, vale para usuários de convênios com casos de paralisia cerebral, síndrome de Down, transtorno do espectro autista, esquizofrenia, por exemplo.

A resolução tem o objetivo de “promover a igualdade de direitos aos usuários da saúde suplementar e padronizar o formato dos procedimentos” relacionados a esse tipo de suporte profissional, segundo a agência-reguladora.

O diretor-presidente da ANS, Paulo Rebello, explica que, com o fim dessa limitação por parte dos planos, o que deve ser levado em conta e respeitado é a prescrição médica, já que o profissional assistente é quem sabe o tratamento ideal de cada pessoa.

De acordo com a ANS, somente este ano, já foram feitas mais de 24 atualizações e inclusões de procedimentos, para cobertura dos convênios, no chamado rol de procedimentos. Agora, a nova resolução, em vigor a partir deste 01 de agosto, vale para todos os planos que possuem cobertura ambulatorial. Em casos de carência, o paciente deve aguardar o fim do período para ter direito aos atendimentos.

Caso o convênio médico não libere a cobertura do número adequado de terapias, o paciente que teve esse direito negado pode registrar uma denúncia no site da ANS, na internet.

Fonte: Agência Brasil

Samuel Aguiar

Veja ainda

Deixe seu comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Obrigado por seu contato!
Em breve nossa equipe retornará para você.